Preciso de um Título para esse Livro!

Todo mundo têm uma história, mas nem todo mundo quer contar a sua história, por qualquer que seja a razão. Eu decidi em contar a minha história, e agora preciso de um título para esse livro,  que pretendo publicar no próximo ano.  Aqui está alguns parágrafos que escolhi para colocar neste post, apenas para dar uma idéia sobre a minha história, e ao mesmo tempo tentar conseguir uma título para o livro. Espero, que se você ler esse pequeno trecho, tenha uma idéia de um bom título. Serão escolhidos os três melhores títulos e os autores desses deles irão ganhar um brinde no final desse, digamos assim, concurso cultural.

Se for lançada algumas sugestões, na caixa de comentários, no dia 30 de outubro de 2013, eu volto com a atualização desse post e anuncio os ganhadores dos brindes, que é uma surpresa.

O livro.

Você alguma vez já pensou em deixar a casa dos seus pais, quando ainda adolescente, para viver uma aventura de viagem em um outro país, ou ao redor do mundo? Acho que muitos jovens pensam em fazer isso. Muitos fizeram, e outros deixaram os seus sonhos de lado. Esse também sempre foi o meu sonho, desde os meus 14 anos de idade e, é sobre essa aventura que eu quero levar você junto comigo. Eu não tinha um plano, mas tinha um sonho de adolescente, era o que eu ouvia dos adultos na época. Um sonho quase obsessivo, e sabia que um dia isso iria realizar. Os meus amigos da época passaram a me chamar de John McEnroe, em alusão ao grande tenista americano que fazia sucesso como tal, no final dos anos 70 e os primeiros anos de 1980. Nesta mesma época, eu só falava em morar nos Estados Unidos, e os meus amigos associaram às minha palavras, ao tenista número um daquele momento. Mas tudo aquilo, não era simplesmente um sonho e sim a descoberta de mim mesmo. Só que eu ainda não sabia de verdade, pelo menos naqueles anos, que um dia eu iria realmente deixar a minha vida de estudante de economia, guia de turismo e vivendo na casa dos meus pais, para viver uma aventura sozinho em um outo país. Mas o sonho existia e era muito forte em meus pensamentos, até que um dia isso aconteceu e aqui começa a minha jornada.

Alguns parágrafos depois…

Já no avião, não me contia de felicidade, de saudade e também muita ansiedade por não saber como seria tudo aquilo que estava começando a fazer. O que me esperaria? Me vinha a lembrança o que aconteceu na noite anterior. Alguns dos amigos que estavam ali no aeroporto e muitos outros, fizeram um bota-fora no bar do Irmão do Heraldo, o “Bodega”, cantaram no karaoke do Bar, na festa que vairou por boa parte da noite. Foi uma festa maravilhosa, onde todos cantaram, beberam e dançram. Lá estava também a Cleria, uma outra namorada que não estava presente no aeroporto, porque não queria me ver partindo. Ela era secretária do Ernani, o meu Patrão. Foi lá que nos conhecemos e também curtimos muitas noitadas juntos. Eu cantei, ou melhor, tentei cantar a música do Fábio Jr. “vinte e poucos anos”, sucesso da época. Cantei essa música para a Suzana em especial, ela era muito importante para mim. A letra da música fala exatamento o que eu queria dizer naquele momento. Nós já éramos namorados a cerca de dois anos e meio. Tínhamos muitas cumplicidades e até planejavamos nos casar, porém o meu sonho falou mais alto. Na verdade aquele era o momento da despedida, como se tudo estivesse programado.

O Vôo seguia o seu curso e as várias lembranças surgiam em meu pensamento. Voltei a pensar na minha mãe. Comecei a me cobrar por ter sido um pouco duro com ela. Saí de uma forma muita brusca de casa, quando fui me despedir dela. Comparei a cena com alguma que teria visto no cinema ou na televião, e aquilo veio a me pertubar por alguns instantes. Procurei alívio tentando fugir daquela cena, e buscando algo novo para pensar. Foi ai que veio a voz. __ Sr., Aceita alguma coisa para beber?  Uma cerveja por favor! __A pessoa do lado também pediu uma bebida e em seguida um sandwish e alguns biscoitos.

A primeira parada foi em Recife, depois de uma hora de voo, aproximadamente. Não me movi da cadeira, mas um grande número de pessoas saiu do avião, e outro grande número entrou para continuar aquele voo, cujo o destino final era São Paulo.  Todos com um destino diferente, me pus a pensar para onde cada uma daquelas pessoas estariam indo e, se alguém estaria fazendo o mesmo que eu. Ou porque todas elas estavam viajando também, teriam todas elas um sonho como eu? confusão mental por desconhecer ainda o final daquela história que havia começado ha tantos anos, e finalmente, estava seguindo o que havia sido planejado, ou sonhado?

Depois, mais uma parada em Salvador, e mais um movimento de entra e sai de pessoas. O meu vizinho pediu licença, e desceu. Era o seu destino final. Me desejou uma boa viagem e seguiu o seu caminho. Mais uma vez continuei sentado observando o movimento na pista do aeroporto. Malas saiam do compartimento de cargas do Aviao, tratores rodavam por todas as partes, os funcionários de terra faziam a manutenção e todos cumpriam as suas funções para manter os planos de voo na hora certa.  E, por um momento desejei ficar ali também e reviver os momentos de quando estive em Salvador, no ano de 1985, seis meses antes, para um congrsso de Guias de Turismo.

Foi em outubro de 1985 quando conheci Salvador. Durante um congresso de Guias de Turismo do Brasil. Viagem esta que que fiz em companhia de Eliza de Mesquita, uma gaúcha que era Guia de Turismo em Fortaleza. Eliza era uma  professora de Inglês aposentada, e escolheu Fortaleza para viver, se tornando Guia de Turismo, e referência para todos os guias da época. Como Guia de Turismo, era a mais velha do Grupo e também muito respeidata por todos, pelo seu carisma, principalmente. Ela foi uma das minhas orientadoras, como aprendiz de Guia de Turismo, quando por várias vezes dirigia o carro para ela mostrar a cidade aos turistas. Foi atravéz dela também, que, em janeiro de 1986 conheci o Americano “Steve Smith”(nome fictício). Aquele senhor havia comprado um apartamente na Avenida Beira Mar e conheceu Eliza durante um City Tour pela cidade. Na ocasião percebendo que ela falava muito bem Inglês e, ele precisava de alguém, à convidou para ser sua secretaria. Prontamente aceito por ela.   

Só para dar uma idéia de uma viagem cheia de aventuras, encontros e desemcontros, que começou em Fortaleza, em 1986 e ainda não acabou. Preciso de um título para esse livo, você tem uma boa idéia? Lance ai!

Se você têm uma boa idéia, lança aqui. O seu nome será divulgado aqui no Blog, você, juntamente com o segundo e terceiro nomes mais votados, irá receber um brinde especial que será revelado somente no dia 30 de novembro. A votação será feita pelo autor desse Blog e seus colaboradores, no total pessoas.

Esse é o rascunho!

 


 

Sejam bem vindos no Viajando Online Blog, e façam uma boa viagem!